Nasceu em Peixe, TO, no dia 29 de novembro de 1923. Filha de Anísio Braga e Edetina Nunes Braga. Foi alfabetizada aos 5 anos de idade por seu avô, Joaquim Nunes Pinheiro. Estudou em Porangatu com a mestra Adelina Gonçalves, na Escola Pública Feminina. Em 1935, residiu em Trindade, GO, onde estudou no Grupo Escolar João Pessoa. Em 1936 passou a estudar no Colégio Santa Clara, em Goiânia, bacharelando-se normalista em 1941, sendo a oradora da turma. Foi uma das primeiras mulheres goianas a lutar pela redemocratização do país, fundando comitês femininos em várias cidades do Estado, pela queda da ditadura Vargas. Em 1947 é eleita vereadora na primeira legislatura municipal de Goiânia. Ingressa na então Faculdade de Filosofia, fundada por Dom Emanuel Gomes de Oliveira, hoje integrada à Universidade Católica de Goiás. É bacharel em Direito pela Universidade Federal de Goiás. Lecionou no Lyceu de Goiânia, no Colégio Santa Clara, no Instituto de Educação de Goiás. É eleita deputada estadual. Aposenta-se como procuradora do Estado de Goiás, depois de exercer relevantes funções públicas tanto em Goiás quanto no nascente Estado de Tocantins. Fundou, juntamente com as escritoras Rosarita Fleury e Nelly Alves de Almeida a Academia Feminina de Letras e Artes de Goiás. Pertence ao Instituto Histórico e Geográfico de Goiás e ao Instituto de Pesquisas e Estudos Históricos do Brasil Central. É biografada no livro Ana Braga, a têmpera da mulher tocantinense, da escritora Áurea Menezes. É fundadora da Academia de Letras do Estado do Tocantins. Possui várias comendas e medalhas por suas atividades culturais e ensaios literários publicados nos jornais goianos. Obra – A Comunicação no Médio Norte Goiano, 1973; Nelly, a Escritora Amiga, 1983; Nossa Senhora da Natividade, Padroeira do Tocantins; Um Nome de Mulher na História de Goiânia, 1999.