Nasceu em Goiânia, no ano de 1960. Jornalista, pertence à Associação Goiana de Imprensa e à União Brasileira de Escritores de Goiás. Foi Secretário de Cultura de Goiânia. É jornalista Profissional, formado pela Universidade Federal de Goiás, 1979 - 1982, contratado pela Universidade Federal de Goiás (desde 04/12/1980), exercendo atividades na  Rádio Universitária e na Assessoria de Comunicação Social; Repórter fotográfico na Cooperativa dos Jornalistas Profissionais do Estado de Goiás (1983/1984); Repórter, Editor e Chefe de Reportagem da Televisão Brasil Central / Goiânia (1985 / 1988); Assessor parlamentar da Vereadora Denise Carvalho, na Câmara Municipal de Goiânia (1989 – 1990);Assessor parlamentar da Deputada Estadual  Denise Carvalho, na Assembléia Legislativa do Estado de Goiás (1991 – 1995); Secretário Municipal de Cultura, Esportes e Lazer da Prefeitura Municipal de Goiânia (1996);Secretário Municipal de Cultura, Esportes e Lazer da Prefeitura Municipal de Goiânia (1996); Secretário Municipal de Cultura, Esportes e Lazer da Prefeitura Municipal de Goiânia (1996); Assessor parlamentar do Deputado Federal Aldo Rebelo, na Câmara Federal (1999); Membro da  comissão especial nomeada pelo Governo do Estado para elaboração do projeto de lei estadual de incentivo à cultura (1999); Diretor do Instituto Goiano do Livro da Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira (2000); Gerente de Comunicação Social da Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia (2004); Assessor Especial do Governador (2005); Diretor da Televisão Educativa da Fundação Rádio e Televisão Educativa da Universidade Federal de Goiás (2005); Produtor do Programa Constelações, na Rádio Universitária de Goiânia (2008);  Assume a Direção Artística e de Programação da Rádio Universitária de Goiânia (2010); Diretor Artístico da Rádio Universitária de Goiânia (2010); Atividades em Associações, Cooperativas e Sindicatos; Atividades em Associações, Cooperativas e Sindicatos; Diretor da Cooperativa dos Jornalistas Profissionais do Estado de Goiás (Goiânia - 1984 – 1985); Primeiro Secretário do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Goiás(Goiânia - 1988 – 1990); Fundador e Presidente do Centro de Artes, Cultura e Ciências de Goiás Professor Colemar Natal e Silva  (Goiânia – 1997 – 1999); Reeleito para a presidência do Centro de Artes, Cultura e Ciências de Goiás Professor Colemar Natal e Silva (Goiânia – 2000 – 2004), licencia-se em junho de 2000 para assumir a direção do IGL/AGEPEL; Eleito  para o terceiro mandato à frente da  a presidência do Centro de Artes, Cultura e Ciências de Goiás Professor Colemar Natal e Silva  para o período compreendido entre  2005 e 2008).

 

Atividades e Premiações Culturais e Literárias:

Vencedor, nas categorias Conto e poesia do Prêmio Literário Jubileu de Prata da Universidade Católica de Goiás. – (Goiânia – 1985); Poemas selecionados para a antologia dos finalistas do Prêmio Literário Nacional Cidade de Belo Horizonte, (Belo Horizonte -  1992); Contos selecionados para a antologia dos finalistas do Prêmio Literário Nacional Cidade de Belo Horizonte, (Belo Horizonte – 1992); Vencedor da  edição de 1993 da Bolsa de Publicações José Décio Filho, categoria poesia, com o livro “A Arte de Pintar Elefantes, (Goiânia 1993); Vencedor da Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos, categoria prosa, com o livro Contos de Solibur 1993, publicado em 1994, (Goiânia, 1993); Contos e Poemas selecionados para a antologia final do  I Prêmio Goiás de Literatura – Prêmio BEG, (Goiânia – 1994); Primeiro lugar em prosa, categoria Conto no II Prêmio BEG de Literatura, (Goiânia – 1995); Coordenador Geral do I  Fórum Goiano Sobre Cultura – (Goiânia – 1995);  Primeiro Lugar em Prosa, categoria Conto e no III Prêmio BEG de Literatura (Goiânia, 1995); Secretário  Municipal de Cultura, Esporte e Lazer da Prefeitura Municipal de Goiânia, cria a “Coleção Caliandra de Prosa e Poesia”, escolhida por concurso e integrada por seis  livros  (Goiânia -  1996) Coordenador Geral do II Fórum Goiano Sobre Cultura (Goiânia – 1996); Contos e poemas  selecionados para integrar a antologia dos finalistas do IV Prêmio BEG de Literatura (Goiânia, 1996);  Fundador e primeiro presidente do CENART – Centro de Artes, Cultura e Ciências  do Estado de Goiás Professor Colemar Natal e Silva – (Goiânia, 1997); Coordenador Geral do III Fórum Goiano Sobre Cultura (Goiânia – 1997) Contos e poemas  selecionados para integrar a antologia dos finalistas do V  Prêmio BEG de Literatura (Goiânia, 1997); Coordenador Geral do IV Fórum Goiano Sobre Cultura (Goiânia – 1998); Vencedor da “Medalha Pio Vargas” para Agente Cultural, concedida pelo Conselho Estadual de Cultura – (Goiânia, 1998); Vencedor da Bolsa de Publicações Cora Coralina,   categoria poesia, categoria geral,  com o livro “Das Palavras”,  - (Goiânia - 1999);  Tem o livro “A Arte de Pintar Elefantes” selecionado pelo Conselho Editorial do Instituto Goiano do Livro para  integrar a coleção de livros Pali Palã da Agência Goiana de Cultura / Instituto Goiano do Livro (Goiânia – 1999) ; Integra, como representante do Poder Legislativo Estadual,  a Comissão Especial, nomeada pelo Governador do Estado, para a elaboração do projeto de lei de incentivo à cultura em Goiás (Goiânia – 1999); Nomeado para a direção do Instituto Goiano do Livro, vinculado à Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira (Goiânia – 2000)  Membro fundador da Academia de Letras de Aparecida de Goiânia, onde ocupa a cadeira de n° 9 (Aparecida de Goiânia – 2004); Membro fundador da Academia Goianiense de Letras, onde ocupa a cadeira de número 15 (Goiânia, 2005); Membro fundador e eleito para a direção de cultura do Cineclube Cenarte (Goiânia, 2005); Eleito Diretor da Televisão Educativa e Cultura da Universidade Federal de Goiás para exercício de mandato entre novembro de 2005 e novembro de 2008 (Goiânia – 2005); Eleito para o cargo de Diretor de Eventos (2007-2010) da Academia Goianiense de Letras; Eleito para integrar o Conselho Editorial da Revista de Literatura criada pela Academia de Letras de Aparecida de Goiânia (2009).  Eleito como membro do Conselho Fiscal da Academia de Letras de Aparecida de Goiânia (2010). Escreve, em parceria com a compositora Débora di Sá, a peça O Circo dos Amores Impossíveis, que estréia  localmente em junho de 2010; Contemplado com o Troféu Goyazes 2011, categoria Romance – Eli Brasiliense, da Academia Goiana de Letras (2011)


VI – Publicações Próprias e Atividades Teatrais:

Livro de Heitor - (poesia) – Goiânia, 1990 – edição Círculo Azul; Contos de Solibur – (ficção) – Goiânia, 1994 – Prêmio da Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos – Secretaria Municipal de Cultura; I Prêmio BEG de Literatura – (antologia) ficção e poesia. Goiânia: 1994; II Prêmio BEG de Literatura – (antologia) poesia. Goiânia: 1995; III Prêmio BEG de Literatura – (antologia) ficção. Goiânia: 1996; IV Prêmio BEG de Literatura – (antologia) ficção e poesia. Goiânia: 1997; Das Palavras - (poesia) – Goiânia, 2000 – Prêmio da Bolsa Cora Coralina – Fundação Cultural Pedro Ludovico / Instituto Goiano do Livro; A Arte de Pintar Elefantes – (poesia) – Goiânia, 2000 – Coleção Pali Palã - Fundação Cultural Pedro Ludovico / Instituto Goiano do Livro; Antologia do Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte, categoria conto, versão 1992 – Belo Horizonte, 2000 – Secretaria Municipal de Cultura; Antologia do Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte, categoria poesia, versão 1992 – Belo Horizonte, 2000 – Secretaria Municipal de Cultura; Elegia – (poesia) – Goiânia, 2004 – Pires Ribeiro Livros; Contos de Solibur – segunda edição revista e ampliada - (contos) – Rio de Janeiro, 2004 – OR Editor; Histórias da Terra Vazia – contos – Goiânia, 2008, Editora Kelps. Publicação sob patrocínio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura; peça O Circo dos Amores Impossíveis,  obra em parceria com a cantora e compositora Débora di Sá ,  estréia  localmente em junho de 2010; Lygia entre os Dragões – romance – Goiânia, 2011, Editora Kelps. Publicação sob patrocínio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura.



VII - Opiniões sobre a obra de  Itamar Pires Ribeiro:


“Você possui um completo domínio sobre a forma, coisa rara, muito rara, entre os contistas brasileiros”
Moacir Scliar

“Não havia como não ler este livro, que começa com o imprevisto de um cão cheio de humorismo. E a espingarda que foi vendida para um colecionador,”frustrando o seu potencial de desgraças”. São invenções e achados como esses, que explodem em todo o livro, que fazem a diferença entre o criador, o artista verdadeiro  o seguidor. (...)     É, Itamar, não há dúvida. Temos gente nova na fraternidade dos sofredores, os escritores brasileiros. Com este livro bem imaginado e bem trabalhado e cheio de invenções você mostrou que sabe criar coisas belas com palavras.” José J. Veiga
 

“Itamar Pires coloca em xeque o próprio fazer e refazer literário, ou o modo como se pode criar um trabalho ficcional a partir de um olhar mais agudo sobre os acontecimentos naturais, os flagrantes do cotidiano, com a invasão do real, do mágico e do fantástico.”  Miguel Jorge

“Você  escolheu  um caminho  difícil, fronteiriço do sonho, do absurdo, do onírico, do fantástico mesclados ao registro realista do cotidiano. Difícil, mas fecundo...e pelo que pude sentir, você está dominando a matéria...”
Nelly Novaes Coelho

Neste livro, As Palavras, que conquistou o prêmio Bolsa de Publicações Cora Coralina da Fundação Cultural Pedro Ludovico Teixeira, Itamar Pires Ribeiro se mostra um poeta sereno na colocação de suas indignações, cônscio do fazer poético e em pleno domínio das melhores técnicas do ofício. Tece o poeta uma longa e profunda reflexão  em torno desse ente misterioso, tênue e mais forte que o átomo ou a fibra de carbono: a palavra.  Edival Lourenço

Com modernidade, lida com referencias de leituras, sedimentos de memória, mitos e personagens longínquos; aplica o ritmo da repetição para obtenção de efeitos de sonoridade e ênfase; mescla um lirismo comedido, apura o intelecto, cria, sem rebuscamentos inúteis. Valdivino Braz

Itamar Pires representa com brilho a nova geração de autores goianos. Um autor “difícil” para a sofrida cultura brasileira que se baseia numa política de anti-educação. Um autor para os iniciados nos verdadeiros mistérios da beleza estética. Yêda Schmaltz