Márcia Maranhão De Conti, nasceu em 27/04/57, na cidade de São Luís - MA, mora há muitos anos  em Goiânia. Filha de Antônio do R. Maranhão Neto e Zelair Mendes Maranhão, é nutricionista e advogada. Publicou Luar nos Porões (Piano mudo)/2011, acolhido por poetas e críticos (Gilberto Mendonça Teles, Álvaro Alves de Faria, Flora Figueiredo, Gabriel Nascente, João de Jesus Paes Loureiro, Nei Duclós  e Rubens Jardim, entre outros). Seu livro inédito, “Na Fissura do Vestido”, foi  premiado em 2013 no Concurso Bolsa Hugo de Carvalho Ramos-versão 2013, gênero poesia. Foi premiada, como participante das seguintes antologias de concursos:  3º lugar no V e VI Concurso Kelps de Poesia Falada 2005 / 2007; 2º lugar no 5º Prêmio Nacional de Poesia Cidade Ipatinga- 2007; selecionada no IV Prêmio Literário Canon de Poesia / 2011 e  II Concurso de Poesias da Revista Literáriam/2011; Premiada neste mês (maio de 2013) novamente com o 2º lugar 2º lugar no 10º Prêmio Nacional de Poesia – Cidade Ipatinga (12ºcircuito de literatura), que ainda não lançou sua antologia. Selecionada nos concursos Poemas no Ônibus e no Trem de 2007/2009/2011. Prêmio TOC 140 da Fliporto ( Festa Literária Internacional de Pernambuco -2013)– Seu poema Serventia ficou entre os 10 melhores (entre mais de 1100 inscitos – esta foi a última fase com a participação da comissão julgadora, depois houve votação on line, quando ficou no 5º lugar). Participou ainda das seguintes antologias: Vinte e Cinco Anos de Poesia – Coletânea Comemorativa do Clube dos Escritores de Ipatinga   - 2011;  Poetas Em/Cena – Reunião de poemas brasileiros no 8º Belô Poético -2012; 32ª Mini Revista Literária -2012 ;  Poema de Mil Faces e Revista Varal do Brasil  (virtuais) /2012. Foi publicada em diversos blogs.

Seus poemas já foram publicados várias vezes nos seguintes jornais: O Popular (Goiânia); Diário da Manhã (Goiânia) e Diário do Aço (Ipatinga). 

Participou do recital  Poemas e Canções de Amor, com o Grupo Fé Menina e o poeta Rubens Jardim, na Oficina Cultural Geppetto, em Goiânia (6/2012), na Casa das Rosas em São Paulo (9/2012) e na Praça Benedito Calixto em São Paulo (9/2012). 

Seu poema Flor está em camisetas de catadores de papel de Porto Alegre a pedido do canadense, professor universitário, Denis Beauchamp, que preside uma associação voltada para esses trabalhadores.