José Luiz Bittencourt (Aracaju, 3 de janeiro de 1922 – Goiânia, 26 de setembro de 2008), foi um advogado, jornalista, escritor e político brasileiro. Iniciou sua trajetória política em 1954, após se eleger vereador em Palmeiras. De 1955 a 1962 atuou como vereador em Goiânia. Durante a administração do udenista Hélio Brito na capital estadual (1961–1966), atuou como secretario da Educação e da Administração. Suplente de deputado estadual durante a 5a legislatura da Assembleia Legislativa de Goiás (1963–1967), assume em 25 de junho de 1964. No entanto, deixa o cargo após a deposição de Mauro Borges Teixeira para assumir a Secretaria de Estado de Meira Matos, nomeado interventor de Goiás pelo presidente Humberto de Alencar Castelo Branco. Permaneceu no gabinete do governo seguinte, comandado por Emílio Rodrigues Ribas Júnior, como Secretario da Educação. Ainda durante a ditadura militar, exerceu o cargo de vice-governador de Goiás durante o mandato de Irapuan Costa Júnior (1975–1979). Assumiu o governo interinamente de 5 de janeiro a 15 de janeiro de 1979.

Bittencourt morreu no dia 26 de setembro de 2008 em Goiânia, vítima de uma parada cardíaca. Seu corpo foi enterrado no cemitério Jardim das Palmeiras.

Apesar de ter feito carreira pelo estado de Goiás, José Luiz Bittencourt nasceu em Aracaju, Sergipe, em 3 de janeiro de 1922, filho de Carlos Batista Bittencourt e Luíza Guaraná Bittencourt. Fez o curso superior na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás (UFG), sendo, mais tarde, titular da cadeira de Direito Internacional Privado. Lecionou por vários anos na Faculdade de Direito da UFG e mantinha uma coluna no jornal Diário da Manhã.

Seu filho, José Luiz Bittencourt Filho também seguiu a carreira política. Após a redemocratização, Bittencourt Filho se candidatou duas vezes ao cargo de prefeito de Goiânia. Em 1992, na eleição ganha por Darci Accorsi, obteve pouco mais de 10% dos votos como candidato do PDC. Na eleição seguinte, já pelo PMDB, obteve 26,7% dos votos no primeiro turno e 44,29% no segundo, quando perdeu a disputa para Nion Albernaz. Atualmente, Bittencourt Filho exerce o cargo de presidente da Agência Goiânia de Comunicação (Agecom), tendo sido nomeado pelo governador tucano Marconi Perillo, o que causou seu pedido de expulsão do PMDB.

Além da carreira política, Bittencourt também era escritor. Pertenceu à Associação Goiana de Imprensa, à União Brasileira de Escritores – Seção Goiás, à Academia Goiana de Letras (sendo o primeiro ocupante da Cadeira 35), à Academia Goiana de Letras Jurídicas, ao Instituto Histórico e Geográfico de Goiás e ao Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe.

Bittencourt teve oito obras publicadas durante sua vida:

  • Do homicídio culposo na Legislação Brasileira (monografia), publicada em espanhol;
  • Dos fundamentos da liberdade do Estado Moderno, 1956;
  • Municipalismo, técnica e ciência na formação dos homens públicos, 1964;
  • Leão de Jaula, 1967;
  • Política e Poder Nacional; 1876;
  • Dimensão política dos Direitos Humanos, 1979;
  • Prática da Discordância, 1989;
  • A consciência da palavra, 2003.